O CORPO DO VERBO

Qual porta é a porta
que o poema decide adentrar?

Que história é a história
que meu verbo quer contar?

Costuro lembranças, incorporo sentenças,
mesclo memórias, projeto projeções.

E tu, o outro, com que narrativas tu crias
as falas do teu ser star?

Misturamos matérias: poemas, cartas, notícias,
roteiros, ficções, relatos…

Cheios de intenções, proferimos tranqueiras líricas pelos ares,
tudo para expurgar do peito aquilo que nos toca a alma…

Nós, seres culturais,
no mar do tempo nos entrelaçamos em redes,
colorimos com palavras o corpo do verbo.

© Francine Canto

Autor: Francine Canto

Sou mestre em Educação, Comunicação e Tecnologia, pela UDESC, e tenho experiências como professora, artista, consultora educacional, assessora administrativa e de comunicação, designer educacional e coprodutora de projetos culturais e educacionais. Para saber mais acesse: http://francinecanto.net

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s